Diferença entre Circuito Indutivo e o Capacitivo

Ao iniciarmos o processo de estudos dentro da área de eletrônica principalmente vamos em algum momento esbarrar com circuitos indutivos e os capacitivos, além claro do mais comum que são os resistivos.

Os resistivos são os mais comuns pois todo equipamento possui uma resistência interna a passagem da corrente, os circuitos serão puramente resistivos se os valores de capacitância e indutância se anularem, o que vai diferenciar o comportamento de todo o circuito é a característica desse equipamento, que pode ser capacitivo ou indutivo.

Então nesse artigo vamos abordar os circuitos capacitivos e os indutivos, além de mencionar algumas aplicações de sensores nesses padrões, confira.

 

Circuitos capacitivos

Primeiro de tudo um circuito se torna capacitivo quando possui a presença de capacitores, para que possamos compreender melhor o circuito, um capacitor nada mais é do que um componente eletrônico que possui a propriedade de carregar e descarregar rapidamente e são comumente utilizados em conjuntos com indutores para estabilizar um sistema.

Com isso um circuito pode ser considerado capacitivo quando a tensão fica defasada em relação da corrente em 90°, ou seja, a corrente fica adiantada da tensão. Caso o circuito seja RLC, ou seja, Resistivo, Capacitivo e Indutivo, isso só vai ocorrer quando a reatância capacitiva for maior que a indutiva.

Características do circuito capacitivo

 

Circuitos indutivos

Indutores consistem em componentes eletrônicos feitos em sua maioria por bobinas de fio, seu funcionamento se dá em armazenar a energia gerada em sua bobina através da corrente que passa em seus fios, ou seja, a corrente que passa induz um campo magnético na bobina e a energia gerada é armazenada.

Quando essa determinada corrente é removida do circuito a energia então é reabsorvida pelo indutor que executa a produção de corrente no sentido oposto da corrente nominal. Não confunda com o processo de armazenagem do capacitor que se dá através de seu dielétrico interno que recebe diretamente a energia.

Dessa forma, os circuitos indutores funcionam atrasando a corrente em relação a tensão, dessa forma em um circuito indutor – capacitor por exemplo, quando o campo magnético está em torno de um indutor a carga do capacitor estará realizando o processo de descarga e assim também o inverso.

Existe um circuito conhecido na eletrônica, o LC, nada mais é do que um filtro seletivo de frequências, ou seja, a frequência que ambos componentes podem captar seja na descarga ou na carga é possível realizar a seleção fina dessa frequência e isola-la, e assim nasceram os primeiros rádios de cristal, esses tinham em sua composição uma bobina de fio e uma utilizava a capacitância do fio da antena que estava no ar, com isso era possível sintonizar as estacoes de rádio que passavam pelo ar.

Sensores capacitivos e indutivos

Com a enorme necessidade da indústria ganhar tempo em seus processos, ou então melhorar a eficiência na segurança dos seus equipamentos, os sensores vieram ao mercado com a finalidade de substituir as chaves comutadoras, chaves essas que funcionam com o principio mecânico, bem ao contrário dos sensores indutivos e capacitivos que são mais ágeis e precisos.

Esses sensores podem encarar grandes desafios e situações nas mais diversas aplicações, por utilizarem uma tecnologia de encapsulamento eles podem resistir a altas temperaturas, impactos físicos e químicos, confira alguns locais que podem ser utilizados:

  • Máquinas operatrizes;
  • Injetoras de plástico;
  • Industria cerâmica;
  • Maquinas de embalagem;
  • Indústria automobilística;
  • Residência;
  • Radares;
  • Smartphones;
  • Etc.

Funcionamento dos circuitos indutivos capacitivos

Funcionamento do sensor capacitivo

O circuito eletrônico capacitivo composto no sensor irá formar um campo eletromagnético na ponta do sensor, ou seja, na face do sensor, com isso quando qualquer objeto metálico passa nessa região do sensor, parte do campo formado é absorvido e com isso conseguimos comutar o sinal de saída, dessa forma, com uma simples programação podemos aplicar esse sinal da forma que desejamos e de acordo com as intensidades dos sinais obtidos.

Funcionamento do sensor indutivo

Esse sensor é o mais versátil. Pois nele não há necessidade de um objeto metálico passar defronte a face do sensor onde se concentra o campo eletromagnético, mas qualquer material que passar haverá comutação do sinal na saída. Com isso boa parte desses sensores são equipados com um trimpot externo para que haja um ajuste fino em cada aplicação.

Sabendo agora as características de cada tipo de circuito fica mais fácil de reparar ou projetar.

Avalie esta Página

Comentários

comentários

Deixe um comentário